Sat Company: Pioneirismo em tecnologia híbrida

Um único equipamento da Sat Company garante às seguradoras maior índice de recuperação e análise assertiva do perfil do condutor

Com vasta experiência no mercado segurador, ao qual tem se dedicado ao longo dos últimos 12 anos, a Sat Company desenvolveu um equipamento híbrido, único no mercado, que une RF (radiofrequência) à tecnologia GPS/GPRS, visando aumentar o índice de recuperação que vinham sendo afetados negativamente pelo uso de inibidores de sinais (jammer).

Além disso, para dificultar a identificação e retirada do rastreador durante as ocorrências de roubo e furto, a equipe de engenharia da empresa preocupou-se com a descaracterização do equipamento; o resultado, conta Marco Puerta, CEO da Sat Company, “é que o rastreador passou a ser imperceptível, já que possui o formato de uma peça original do veículo, ora uma buzina, ora um módulo de injeção ou ignição, entre outros”, exemplifica.

Como instalam equipamentos em todo o território nacional, o grande desafio era conseguir utilizar-se da tecnologia rádio frequência em todas as ocorrências de roubo e/ou furto que envolvessem os veículos rastreados pela empresa e, para isso, a equipe de desenvolvimento encontrou na rede proprietária a solução que precisavam.

Redes proprietárias se assemelham a rede mesh ou redes “malhadas”, que são redes compostas de várias “células” que se intercomunicam. Na prática, todos os veículos que possuem o equipamento R12 instalado funcionam como antenas receptoras e transmissoras.

Uma vez que utilizem inibidores de sinais durante as ocorrências o equipamento detecta a perda do canal GPS/GPRS e através do RF emite um sinal de S.O.S ao veículo da base mais próximo a ele.

Estudos efetuados com base nos veículos rastreados pela Sat Company comprovaram a aderência do conceito de rede prioritária ao projeto de desenvolvimento do R12, conforme demonstra a foto abaixo de um caso real de roubo na cidade de Curitiba, onde o veículo no centro é o veículo roubado e os demais possuem equipamentos da empresa instalados. O raio demonstrado é de 3 km, alcance do R12.

Essa é uma rede de comunicação que se tornará mais eficiente à medida que novas instalações forem efetuadas; “quanto mais veículos tiverem este equipamento instalado mais rápida será a recuperação em caso de roubo ou furto” conclui Danielle Serradilla, diretor comercial da Sat Company.

Para agilizar a ampliação da rede, a Sat Company tem firmado parcerias para instalação de antenas físicas, incluindo, além da sua rede técnica credenciada que conta com mais de 600 pontos de instalação, guinchos que atendem as seguradoras, entradas de rodovias e outros locais estratégicos, cuja alta altitude amplia o raio de atuação da antena.

A eficiência do equipamento em caso de roubo ou furto é indiscutível quando consideram-se as ocorrências com veículos que já possuem o R12 instalado, no qual a empresa teve êxito na recuperação de 95% dos casos. Uma assertividade maior, inclusive, em razão das duas tecnologias embarcadas. “Nosso principal canal de comunicação continua sendo o GPS/GPRS, mas a radiofrequência é automaticamente acionada mediante ao uso de jammer já que utiliza uma frequência que não é atingida pelos inibidores de sinal” destaca Cristiano Silva, gerente operacional da empresa.

Outra iniciativa inovadora foi a de utilizar o dirigível Zeppelin durante as ocorrências, não só como antena móvel mas no sentido de munir a central de operações da Sat Company com imagens ao vivo transmitidas por câmeras instaladas na parte inferior do aeróstato. “O projeto ainda está na fase de produção pelo fabricante, mas em poucos meses as pessoas verão o Sat Móvel pelo céu de São Paulo” conta Leonardo Buosi, gerente administrativo da Sat Company.

Dirigível Zeppelin

Telemetria

Discreto no formato e precioso no conteúdo, outro ponto-chave do dispositivo é que possui telemetria embarcada, possibilitando através da instalação do R12, o monitoramento do perfil do condutor.

A precificação do seguro de forma individualizada, que já acontece na Europa, é tendência no mercado segurador do Brasil. Por essa razão a Sat Company fez questão de manter a tecnologia GPS/GPRS como tecnologia principal do produto.

O banco de dados da empresa armazena todo o histórico de transmissões que possibilitam traçar de forma bastante assertiva o perfil do condutor e confrontar as informações prestadas no ato da contratação do seguro, através das seguintes informações:

  • Cep de pernoite (se o cep informado é realmente onde o veículo pernoita);
  • Km de rodagem: total de km rodada por dia, semana, mês e ano;
  • Informação de utilização do veículo em horas, por dia e por região;
  • Direção Perigosa: análise de aceleração, frenagem e troca de faixas;
  • Crash Detection: o equipamento é capaz de detectar colisões e permite reconstituir todo o histórico do evento. “O equipamento está configurado para disponibilizar detalhadamente as transmissões por um período antes e depois da colisão” especifica Puerta.

Marco Puerta, CEO da Sat Company

É possível identificar se o condutor estava em alta velocidade, o local exato da colisão, a direção que ele estava e tempo de frenagem para que as seguradoras tenham um laudo mais conclusivo para indenização ou não do sinistro. “Uma forma de combater as fraudes que hoje tem sido ponto crítico para as companhias”, acrescenta o executivo.

Visando agregar ainda mais valor ao serviço de rastreamento, a Sat Company já tem um projeto piloto do Crash Detection em uma seguradora. “Havendo uma colisão, recebemos em nossa central de emergência um alerta. Neste momento contatamos o segurado para prestarmos auxílio em relação ao acionamento de guincho e ambulância, quando necessário e baseado no relato colhido, fornecemos um relatório detalhado à seguradora” conta Danielle.

As seguradoras podem optar pelo formato que desejam receber todas as informações de telemetria, sendo “dados puros” ou através de um sistema que permite consultar individualmente o perfil de seus segurados.

“Nosso principal canal de comunicação continua sendo o GPS/GPRS, mas a radiofrequência é automaticamente acionada mediante ao uso de jammer já que utiliza uma frequência que não é atingida pelos inibidores de sinal”

Cristiano Silva, gerente operacional da Sat Company

Automonitoramento

A Sat Company também dispõe de um aplicativo para que o segurado monitore o seu próprio perfil de condução e tenha acesso a ferramentas como:

  •  Localização do veículo em tempo real;
  •  Relatório de posições passadas;
  •  Velocidade;
  •  Alerta de violação do equipamento;
  •  Botão de emergência;
  • Criação de cerca eletrônica;
  •  Alarme virtual;
  •  Localização do carro em estacionamento de shopping;
  •  Valet Parking: funcionalidade que emite alertas em caso de velocidade alta e distância excedida pelo manobrista.

GAPO

Criado em 2012, o GAPO, Grupo de Análises Preventivas Operacionais, que opera 24X7, tem por objetivo inibir fraudes e detectar previamente casos de Roubo/Furto de veículos, reduzindo desta forma as perdas sofridas pelas seguradoras.

“Geralmente quando uma pessoa resolve fraudar o seguro, ela faz um teste de desconectar o rastreador o que nos gera um alerta no GAPO, neste momento entramos em contato com ela, e com isso acabamos inibindo a ação” explica Cristiano Silva.

Danielle Serradilla, diretora comercial da Sat Company

Durante os contatos mantidos com os segurados, o GAPO detecta situações rotineiras como uma manutenção no veículo ou o costume do motorista de desligar a chave-geral do caminhão, mas muitas vezes é durante o contato que o segurado descobre que o veículo foi furtado.

Uma vez confirmado o furto, a equipe da Sat Company começa imediatamente a operar para recuperá-lo com o apoio de equipes de pronta resposta e órgãos de segurança pública.

Outro trabalho de grande importância realizado por esta equipe é a elaboração do relatório final da ocorrência, confrontando o relato do segurado durante o acionamento na Central Sat Company, com as informações contidas no boletim de ocorrência e os dados coletados do próprio rastreador apontando possibilidade de fraude, sendo possível a abertura de sindicância por parte da seguradora.

“Havendo uma colisão, recebemos em nossa central de emergência um alerta. Neste momento contatamos o segurado para prestarmos auxílio em relação ao acionamento de guincho e ambulância, quando necessário e baseado no relado colhido, fornecemos um relatório detalhado à seguradora”

Danielle Serradilla, diretora comercial da Sat Company, sobre o Crash Detection

Parcerias Governamentais

Vislumbrando aumentar o apoio recebido durante as ocorrências, a Sat Company está em contato com os órgãos de Segurança Pública para apresentar um projeto de sua autoria, que facilitará a identificação de veículos roubados/furtados que estejam dentro do raio de atuação do R12.

Pool de Seguradoras

A Sat Company tem como objetivo oferecer às seguradoras os serviços de rastreamento e telemetria sem a cobrança de instalação, sem necessidade de devolução do equipamento e com mensalidades inferiores à R$ 30,00.

A não retirada dos equipamentos após o cancelamento da apólice, contribui para a constante ampliação da base instalada, oferecendo assim duas grandes vantagens às seguradoras:

  •  Maior índice de recuperação através da tecnologia RF, uma vez que todos os veículos passam a atuar como antenas receptoras e transmissoras, mediante instalação do R12;
  •  Possibilidade de migração do veículo entre as seguradoras, sem custo de ativação e com mensalidades reduzidas.

Para tanto, tem se dedicado a aumentar seu pool de seguradoras, a fim de ampliar sua base de equipamentos instalados em todo o país, partindo da sua atual carteira de 10 cias. de seguro.

SAT Company

Genuinamente brasileira, a SAT Company foi fundada no ano de 1993. Com uma equipe de 1,100 colaboradores e 600 prestadores de serviços cadastrados em todo o território nacional, a empresa tem em seu cadastro 160 mil veículos ativos de mais de 10 seguradoras.

R12

Desenvolvido pela SAT Company, o R12 tem tecnologia híbrida, reunindo em um único equipamento as tecnologias GPS/GPRS e de radiofrequência, ou seja, telemetria e rastreamento, de forma que as seguradoras tomem decisões mais assertivas, seja no momento de um sinistro ou na precificação do seguro.

Conteúdo da edição 185 – Abril/2017 – Revista Cobertura Mercado de SegurosAcesse aqui

Poste um comentário

Chame no WhatsApp